quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Contribuição na matéria de Daniela Fenti para o Jornal Dário da Região do Prof. Renato Dias Martino


Lézio Jr.
Amizade de menos
Diversos fatores contribuem para queda de amigos na vida adulta
Contribuição na matéria de Daniela Fenti para o Jornal Dário da Região

Vários fatores contribuem para a queda do número de amigos na vida adulta, e isso é até normal. Ideal é não se isolar e manter relações saudáveis com pessoas queridas

Você já passou dos 20 anos, concluiu os estudos, tem um trabalho formal e um relacionamento sério. As redes sociais estão repletas de conhecidos, mas as reais opções para convidar alguém da lista ou ser convidado para um passeio são quase nulas.

Calma! É normal. Com a chegada da vida adulta e de suas situações típicas, como o acúmulo de funções profissionais e, principalmente, o namoro ou o casamento e a chegada dos filhos, especialistas afirmam que o círculo de amigos tende a se estreitar.

É o caso da técnica cultural Joice Zorzi, 29 anos. Ela diz que sua turma hoje não é tão grande como nos tempos da faculdade. “Eu sinto saudade. Não é que faça falta, é só diferente.” Atualmente, ela namora à distância e, por isso, aproveita as horas livres para viajar, o que dificulta a convivência com os amigos.

“Tento manter contato com os mais próximos, pelo telefone ou pela internet. Quando estou na cidade, também saio com algumas pessoas, mas muitos se mudaram para longe”, explica ela.

Esse fenômeno da vida contemporânea, porém, não deve servir como uma desculpa para o isolamento. De acordo com a antropóloga e etno-historiadora Niminon Suzel Pinheiro, a mudança de prioridades é positiva, pois quando se encontra um companheiro os pares costumam dedicar mais tempo ao envolvimento amoroso.

Apesar disso, é importante que o casal não deixe de estabelecer afinidades com outras pessoas. “A amizade é algo muito importante para todos, porque precisamos de uma válvula de escape para os problemas do cotidiano. Entretanto, a quantidade de amigos e o tipo de relação com eles depende da personalidade de cada um”, justifica.

Sílvia Siqueira, 33 anos, fisioterapeuta, reclama da ausência dos amigos comprometidos. “Todo mundo fala que a relação não vai mudar, mas o estilo de vida acaba mudando. O parceiro está sempre por perto e a gente perde um pouco a liberdade. Fico feliz porque meus amigos ficam felizes, mas tenho medo de ficar sozinha. Ainda bem que meu filho de 8 anos é um companheirão.”

Uma das razões para a dificuldade de se preservar antigos amigos e conhecer novos é o ciúme do parceiro. Segundo Kática Ricardi de Abreu, psicóloga clínica e organizacional especialista em análise transacional, é possível fazer um paralelo entre as relações humanas e a alimentação.

Da mesma maneira que o organismo precisa de vitaminas, carboidratos, proteínas e outros nutrientes, que não podem ser encontrados só no feijão ou só no arroz, o aparelho psíquico requer muitas fontes e estímulos para preencher suas necessidades de carinho e atenção, por exemplo.

“A pessoa pode amar muito seu companheiro ou sua companheira, mas precisa ouvir histórias diferentes, contar a mesma história para muitas outras pessoas. O casamento e o namoro não preenchem todos os anseios. É um grande erro o casal se limitar ao ‘eu só vou se você for’ e ‘você só vai se eu deixar’. Amizades saudáveis devem ser cultivadas independentemente do estado civil”, ensina ela.

Outra barreira é o próprio ambiente de trabalho, pouco propício para se estabelecer laços de afeto. Embora os funcionários passem a maior parte do dia no local, o clima é mais de competitivade do que de cumplicidade. “As simpatias e admirações pessoais acabam aparecendo, mas não devem se misturar com as funções laborais”, pondera Kátia.

Valor à família

O psicoterapeuta Renato Dias Martino tem uma visão um pouco diferente sobre o antídoto para a solidão. Ele acredita que o formato das amizades tem como base a vivência familiar.

Desse modo, quem cresceu em um ambiente com vínculos saudáveis conseguirá desenvolver e expandir essa capacidade, assim como reconhecê-la nos outros. “É preciso criar vínculos formais, ou seja, cultivar uma rotina com o outro. Mais do que criar oportunidades de diversão, é preciso realizar algo juntos”, explica.

Por outro lado, o profissional alerta que grande parte das pessoas se preocupa com as relações externas, mas se esquece de preservar a amizade com o marido e a mulher, os filhos, os pais e os irmãos, com quem convivem sob o mesmo teto. “A sociedade não deu certo. O único grupo humano que deu certo é a família, justamente a institução mais descuidada. Se todos a valorizassem em primeiro lugar, o mundo seria bem melhor”, destaca.

Prof. Renato Dias Martino 
Psicoterapeuta e Escritor
São José Do Rio Preto - SP
Fone: 17-30113866 
renatodiasmartino@hotmail.com
http://pensar-seasi-mesmo.blogspot.com

domingo, 14 de outubro de 2012

Dicas de Filmes – UM MÉTODO PERIGOSO

Dicas de Filmes – UM MÉTODO PERIGOSO

Baseado no livro  homônimo de John Kerr, tem a direção de David Cronenberg. 
O filme mostra uma densa ficção que focaliza o encontro entre Carl Jung (Michael Fassbender) e Sigmund Freud (Viggo Mortensen) na construção da psicanálise. 
Aborda a intensa e polêmica relação de Jung com a paciente Sabina Spielrein (Keira Knightley). 
Jung verá suas ideias conflitarem com as teorias de Freud, ao mesmo tempo em que se entrega a um romance alucinante e perigoso com a bela Sabina.