sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Modelo de Respeito: Criança e Internet

Em novembro de 2010 publiquei aqui, nesse mesmo blog um texto de reflexão sobre a questão da criança que tem acesso à internet e em especial a criança que não pode contar com a presença afetiva dos pais, que sempre muito garantidos pelas justificativas do apego à uma vida cheia de benefícios materiais colocam em risco o desenvolvimento emocional, de si próprios e consequentemente o desenvolvimento emocional dos filhos, que em grande parte dos casos nasceram sem serem desejados, muito menos planejados e sequer tem um espaço mínimo na vida dos pais. Assim, essas crianças acabam por se transformarem num problema na vida narcisista desses que deveriam cumprir as funções de pais. Retomo o assunto seis anos depois e a situação não me parece nem um pouco animadora, quando verificamos o panorama atual, seja pela observação própria, ou mesmo através das notícias veiculadas recentemente pelos meios de comunicação.

Crianças e adolescentes passando a maior parte de suas vidas na frente das telas de seus computadores e quando não estão em casa ainda assim a hipnose eletrônica continua, mas em seus dispositivos móveis (celulares, smartphones, tablets...). Sempre com um intuito muito claro de buscar desesperadamente um olhar de aprovação do outro. Seja se arriscando em desafios perigosos, onde outros adolescentes assistem, pela webcam, as realizações de brincadeiras arriscadas que muitas vezes acabam em morte, ou ainda a exposição de fotos de nudez e vídeos de conteúdo erótico, que em muitos casos incentiva encontros com desconhecidos, propiciando então oportunidade de abuso físico.
Tudo para sentirem-se importantes pelo menos por alguns momentos, já que nunca conseguiram isso de seus pais, que por sustentarem uma manutenção material acreditam já estar dando "de tudo", para seus filhos. No entanto a falta é de um modelo. Um modelo de afeto, atenção, respeito, sinceridade... Ora, um modelo só pode ser propagado se houver presença, pois na ausência, a própria a ausência é o que serve de modelo.

Uma criança que esteja sendo respeitada pelos pais, presentes em sua vida e atuantes em sua formação, não irá permitir que algo a seduza ou a desrespeite. Ninguém conseguirá maior influência na vida de uma criança do que os pais (ou aqueles que ocupam essa função), quando realmente emocionalmente presentes, no entanto, por outro lado, nada influenciará mais a vida da criança do que a ausência afetiva dos pais.
Grande parte de crianças abusadas ou vítimas de atos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo ou grupo de indivíduos, já está sendo desrespeitada em casa há muito tempo. Vulneráveis estão na fase onde tudo o que mais carecem é de modelos. Modelos que possam orientá-las em como devem ser e modelos que possam norteá-las com quem se relacionar, assim como modelos de relacionamentos bem sucedidos.

Bem, quando acontece a ausência da função de pais respeitosos, na vida dos filhos, no que se refere ao cumprimento básico da formação de modelos de respeito para consigo mesmo, passa a existir a tentativa de criação e implementação de regras duras de moralidade, criadas muito menos pelo amor dos pais pelos filhos, mas por um sentimento de culpa por terem se ausentado da vida desse que, na verdade é de sua responsabilidade e que agora apresenta algum desvio em sua conduta.

"As regras que nascem de um ambiente rico em afeto e verdade são regras internas, muito mais próximas da ética do que daquilo que chamamos moral e que na realidade só se sustenta sob os olhos da autoridade. Regras morais se dissolvem rapidamente enquanto a autoridade se distrai." (Martino, 2010)

Medidas autoritárias de intervenções invasivas, de investigação da vida dos adolescentes, que nessa fase deveriam estar desenvolvendo sua intimidade. Isso gera um novo prejuízo que tem impacto na criação de modelos de privacidade. Cria-se assim um funcionamento onde bisbilhotar a vida alheia é algo permitido e comum nos relacionamentos.

"Aquele que aprendeu ser respeitado dentro do lar, certamente não se envolverá em qualquer que seja a relação que não ofereça respeito." (Martino, 2010)

Pais que estiveram emocionalmente ausentes, mesmo que fisicamente presentes, buscam agora uma solução imediata para algo que não consiste num simples problema externo de mau comportamento, mas numa configuração de personalidade empobrecida, que desnutrida de afeto, desesperada, clama por atenção. Vivemos num tempo onde por conta da busca pelo suprimento material, abandona-se a formação emocional, em sua fase mais vulnerável. Entregando-se crianças muito novinhas aos cuidados de instituições, onde passam a maior parte do tempo de sua vida, num período fundamental do desenvolvimento, onde a presença das funções maternas e paternas são imprescindíveis.

No entanto, aquilo que deve ser provido no seio do lar não pode ser substituído por nada que seja oferecido por outra instancia de caridade, organização governamental ou instituição educacional. Mesmo que por mais bem intencionada que sejam, nem uma escola pode substituir o que deve ser suprido no lar.










Psicoterapeuta e Escritor
Fone: 17-30113866
renatodiasmartino@hotmail.com 
http://pensar-seasi-mesmo.blogspot.com.br

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

III ENCONTRO DO ATO DE PENSAR: Sobre o Medo e o Desejo


III ENCONTRO DO ATO DE PENSAR: Sobre o Medo e o Desejo

DIA DO EVENTO: 12 DE NOVEMBRO DE 2016 -SÁBADO ÀS 14H. 
No Centro Cultural Vasco sjrp, à rua São João, 1840 - 
bairro Boa Vista, São José do Rio Preto SP
Faça sua inscrição. 
Vagas limitadas. 
Valor da inscrição: 
R$ 35,00 antecipado.

E-mail para contato: 
Informações pelo telefone: 17 99132-9809 I 17 3011-3866. 

Dados para deposito:
Deposito na Conta poupança da Caixa Federal
Renato Dias Martino
Agencia: 0631
Conta: 013 00018132-6.
(o deposito pode ser feito em qualquer casa lotérica). 
Enviar comprovante de pagamento no e-mail: acuradefreud@gmail.com. 
*** Para sua segurança, não esqueça de levar seu comprovante no dia do evento.

As inscrições podem ser realizadas diretamente pelos blogs:
E também no clicando no link: https://goo.gl/forms/qzSjWfvtVCRS2Afv1