segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Prof. Renato Dias Martino - Continente Tornando-se Desnecessário




A ação de maternagem suficientemente boa é aquela em que a mãe, gradativamente, vai se fazendo desnecessária conforme o desenvolvimento da criança.
O continente é necessário para que o contido se expanda.
confere?
Mas esse continente que é necessário para que o contido se expanda, precisa se tornar desnecessário, na medida em que o contido consiga se autoconter.

Prof. Renato Dias Martino
Psicoterapeuta e Escritor
Fone: 17-30113866
renatodiasmartino@hotmail.com
http://pensar-seasi-mesmo.blogspot.com

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Sobre o Ego

Para a psicanálise o ego é a parte organizada na estrutura da personalidade. Junto com id, que é o representante das necessidades mais básicas e o superego, parte da mente que se coloca como juízo censor e crítico, o ego forma o esquema criado por Freud chamado Segunda Tópica da Mente. Enquanto e ego representa ‘o que se está sendo’, o superego, aliado às forças que brotam do id, cria ‘o que se deveria ser’. O ego é estruturado e se desenvolve conforme as experiências bem sucedidas nos vínculos afetivos. Experiências de relacionamentos afetivos que possam contar com a combinação de amor e verdade, compõem e dão manutenção ao ego.

A ideia de Freud para o ego (eu) é justamente como sendo uma parte do id, modificada pelo contato com a realidade. Surge como fator de ligação para os processos psíquicos. Parte do aparelho psíquico que abre mão do princípio do prazer em nome do princípio da realidade. Dessa maneira cada parte do id que se torna ego deve então abrir mão de certa cota de satisfação de prazer, logo deve haver ai certa tolerância ao desprazer. Martino, 2012.

O ego concorda com a autoestima. O que em psicanálise chamamos de ego coincide com o quanto o sujeito é capaz de amar a si mesmo e assim sendo, também o quanto será capaz de amar o outro. A experiência do vínculo afetivo com o outro traz a chance de criar um vínculo afetivo consigo mesmo. A criança aprende a amar-se a si mesma através do amor da mãe.
Sendo a parte mais arranjada da mente, é o que de bom podemos encontrar em nós mesmos. É do ego a funções do pensamento. Da capacidade do ego são definidos os sensos de direção, consciência, organização, assim como as capacidades afetivas mais nobres dos vínculos que se tem com o ‘eu’ e com o ‘outro’. 
É prejudicial viver na escassez de oportunidades de experiências afetivas que possam nutrir o ego. Isso pois o ego pode enfraquecer quando privado de vínculos afetivos nutridores.
A disposição para a consciência que leva à maturidade do ego, depende da capacidade de tolerar frustrações. O ego é a parte domada do eu. Quanto mais se é capaz de adiar as satisfações imediatas, tanto maior será a capacidade do ego.

Quando não existe a chance de se estruturar o ego através de experiências afetivas bem sucedidas o que acontece é que sujeito se encontra demasiadamente empobrecido (resultado a escassez de oportunidades reais de vinculação afetiva) e por conta disso cria defesas para esconder essa fragilidade. Se sentindo ameaçado cria um falso eu que parece superior, mas que na verdade não vai além das aparências.

Um ego quando bem estruturado, traz características de humildade, compaixão e capacita ao acolhimento, diferente de um ego inflado que sem substancia ou conteúdo, arma-se sempre de arrogâncias e exclusivismos.

FREUD, S. Obras Completas. Standad 14, Londres: Hogarth, 1980.
Martino, Renato Dias Primeiros passos rumo à - 1. ed. - São José do Rio Preto, SP : Vitrine Literária Editora, 2012.

Prof. Renato Dias Martino 
Psicoterapeuta e Escritor
Fone: 17-30113866 

sábado, 21 de dezembro de 2013

Prof Renato Dias Martino - Sobre o Pensar




Sobre o Pensar
Prof. Renato Dias Martino
http://www.pensar-seasi-mesmo.blogspot.com.br/

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Prof. Renato Dias Martino - A Carta



A CARTA

Lembra como vivíamos grudados?
Chegamos a ser um nó.
Ainda sou eu quem está aqui,
Mesmo estando agora tão só.
Há algum tempo venho pensando
em minhas fantasias e em coisas reais.
E fiz isso percebendo que somos diferentes,
apesar tão iguais.
Acho que te amo mais agora, mas...
Você não imagina qual foi a dor.
Sinto-me mais completo então, mesmo porque...
Foi você quem me ensinou o que é o amor.

Prof. Renato Dias Martino
http://pensar-seasi-mesmo.blogspot.com

domingo, 1 de dezembro de 2013

Dicas de Filmes - Diário de uma Paixão

Sr. Duke (James Garner), residente de uma clínica geriátrica faz a leitura diária de uma bela história para uma paciente que sofre do mal de Alzheimer (Gena Rowlands ). O belo romance entre dois jovens, Allie Hamilton (Rachel McAdams) e Noah Calhoun (Ryan Gosling , que se conheceram num parque de diversões e se enamoram, na década de 40. Por conta de divergências sócio econômicas eles são separados pelos pais dela. Para afastar a garota do jovem Noah, que era um trabalhador braçal, os pais de Alie a mandam para longe. Noah tenta manter correspondências com ela, escrevendo todos os dias, mas nunca teve respostas, isso pois a mãe (Joan Allen) dela interceptava a correspondência. Por acreditar que Allie não estava mais interessada, Noah escreveu uma carta de despedida. Alie que nunca mais tivera notícias de Noah, desiste de esperar e conhece, Lon Hammond Jr. (James Marsden), rico oficial na 2ª Grande Guerra. Entretanto o acaso a faria se reencontrar com seu antigo amor. Então, ela deve agora escolher. Um bela história de amor com um final surpreendente.
2004 (2h01min)