quinta-feira, 15 de março de 2012

A Lenda da Lula Tigre de Komodo

A Lenda da Lula Tigre de Komodo
Renato Dias Martino

Diz a lenda que certa vez, em Komodo, uma ilha localizada na Indonésia, existiu um pesquisador apaixonado por uma espécie incomum de molusco marinho denominado Lula Tigre. O animal recebera esse nome em decorrência da coloração do corpo desse invertebrado marinho, que seguia em delgadas rajadas de negro numa superfície de amarelo ouro fluorescente. Um belo animal da espécie dos cefalópodes, da qual o cientista apaixonara-se ao encontrar um exemplar num passeio que fizera certo dia, pela praia.


Desse dia por diante, passou a recolher todos os espécimes que conseguia pela praia e então pesquisar com afinco tudo sobre essa fascinante lula. Hábitos particulares, ciclos e período de vida, forma de reprodução e qualquer que fosse a informação relevante que enriquecesse o estudo do dedicado cientista apaixonado pela Lula Tigre de Komodo.

No entanto em meio aos seus dedicados estudos sobre esse magnifico animal marinho, foi surgindo uma triste constatação. Comparando os dados que recolhera na pesquisa sobre a lula, contatara que essa espécie marinha estaria em vias de extinção. O dedicado cientista percebeu e o fez com grande desgosto, que a severa vulnerabilidade, aliada a enorme dificuldade em se reproduzir, apontaria para um fim muito próximo dessa espécie tão bela de animal marinho. Assim como propunha a teoria da evolução de Darwin, o cientista constatava a triste verdade de que essa espécie de lula não havia conseguido adaptar-se às mudanças do ambiente em que vivia e sucumbiria em muito pouco tempo, numa total extinção.

Muito entristecido pelo possível fim do belo animal marinho do qual lhe despertara tanto encantamento e fizera desenvolver tanto apreço, o cientista foi diminuindo então, a pesquisa sobre a lula, até por completo desinteressar-se pelo projeto cientifico.


Todo o estudo do cientista havia sido muito bem elaborado e com grande precisão cientifica, no entanto, um fato foi preponderante para que a constatação da iminente extinção da Lula Tigre de Komodo ocorresse num mero engano. A disposição para recolher exemplares de estudo era extremamente limitada. O cientista limitava-se em recolher as lulas que chegavam até a praia. Com isso, capturava somente aquelas que já estavam enfraquecidas e exaustas chegavam à praia. Isso, quando o ambiente de sua plena saúde seria nas profundezas do mar, onde gozava de um desempenho formidável, de uma agilidade extraordinária e uma adaptabilidade sem igual no ambiente em que vivia. Nas profundezas, a Lula Tigre ainda apresentava uma eficiência reprodutiva excelente, o que fazia dessa espécie de molusco, uma criatura vitoriosa na natureza em constante transformação. A lula que chegava a praia, por sua vez, já se encontrava fraca e com a sua capacidade reprodutiva muito debilitada. O estudo do cientista, então estava sendo baseado em referencias extremamente limitadas da realidade, para chegar a qualquer que fosse a verdade.

Somos todos cientistas do mundo. Dedicados na pesquisa das verdades da vida. Insistindo em conhecer, ou prontos a desistir, tomando como verdade, certos dados limitados, que pudemos recolher da realidade.





Prof. Renato Dias Martino
Psicoterapeuta e Escritor
Fone: 17-30113866
renatodiasmartino@hotmail.com
http://pensar-seasi-mesmo.blogspot.com/