quinta-feira, 7 de abril de 2011

O Rio de Janeiro ficou triste

Extremamente emocionado de entristecido eu pasmo frente à proporção que pode tomar o descaso para com o ambiente familiar (mãe, pai, filho) que mais do que espectadores, fazemos parte. Enquanto não deixarmos de nos queixar pelo que sofremos em nossa família de origem e nos propusermos a nos responsabilizar pelos nossos filhos, continuaremos vendo criança (Wellington Menezes de Oliveira 24 anos) matando criança (alunos na média dos 14 anos). As confirmações de experiência de abandono na primeira infância não são de forma alguma raras, numa pesquisa mais atida da vida desse menino.
Prof. Renato Dias Martino

Um comentário:

Jacqueline disse...

É claro que não dá pra entender como opera a mente de uma pessoa que comete um ato desses. Seu ato é simplesmente inaceitável.
Mas uma pessoa é construída com aquilo que recebe.
É muito triste não receber o vínculo de amor, atenção, carinho, compromisso paterno ou materno com os filhos que se põe no mundo.